Variados estudos reinteram que vender para o exterior demanda planejamento estratégico daqueles que almejam pluralizar seus negócios, ascender a mercados diversos e fazer crescer o faturamento, particularmente nos tempos árduos como os que atravessamos atualmente. Diversos empreendedores acreditam, no entanto, que comércio exterior é algo apenas para os grandes – o que não é verdadeiro. “Às vezes, exportar até parece um bicho de sete cabeças”, diz, vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). “Mas, se o empresário atua com esforço para entender bem seus clientes, os países em que eles vivem, e fazem um bom planejamento, as vendas para o exterior tornam-se um excelente caminho para empresas de diversos tamanhos”, A criação de novos negócios em outros países vem com um sem número de vantagens. Entre elas está o impacto reduzido no caso de oscilações eventuais no mercado interno. Além disso há o aumento do faturamento e da produção – e claro, o reconhecimento da marca em todo o mundo.

Empresas que exportam são submetidas à regimes diferenciados que permitem redução de custos e, em consequência, maior competitividade no preço de seus produtos. Ademais, estas empresas passam a ter acesso a linhas de crédito especiais, coisa que se traduz em mais capital de giro e melhor fôlego para produzir. A internacionalização ergue o empreendedor a um novo patamar competitivo, ao incentivar a empresa a tornar seus processos mais eficientes, e se adequar ao que exigem os novos mercados.,, Para que o sucesso venha em sua estratégia de comércio exterior, é necessário agregar à cultura da empresa, a internacionalização. Assim, um empresário precisa ver as exportações dentro de seu planejamento estratégico. Caso exista capacidade produtiva, e o empresário decida por conquistar novos mercados, deve primeiro avaliar todas mudanças internas que precisam. “A empresa tem que se preparar para novas normas, melhorar seus mercadorias e serviços, aprimorar seus processos internos e, especialmente, ver a coisa de um ponto de vista multidepartamental em sua estratégia exportadora”